Estamos sempre pensando no passado ou no futuro, ou lutando contra problemas – imperfeições, hesitações, decepções, temores, paixões e culpa – são todos eles sentimentos e energias variadas, um emaranhado de emoções que nos conduzem à confusão, desgastes, tensões e ansiedade. A forma mais barata e produtiva de lidar com tais emoções é dedicando um tempo que seja à meditação, nela, podemos aprender a libertar-nos de tantas influências negativas que nos tornam seres pesados.

“Não é porque é normal termos negatividades como ignorancia, apego, raiva, avareza e medo, que devemos cultivá-las. Temos uma grande capacidade de nos transformarmos e nos tornarmos diferentes e é nesse sentido que devemos aplicar nossa energia”. Lama Michel Rinpoche.

Conscientização Como funciona a unicidade corpo, respiração e mente?

Para manter a saúde e o equilíbrio é importante conhecer e tratar o corpo e a mente como um sistema integrado. Observar o relacionamento recíproco entre eles é fundamental. A mente se relaciona com os sentidos, que se relaciona com o corpo, que se relaciona com o mundo. Cada um deles conduz ao outro. Cada qual tem seu próprio padrão e, juntos, agem e interagem o tempo todo e ao mesmo tempo, além de que, cada processo também segue caminhos específicos. Quando os sentidos transmitem informações à mente, esta começa a tomar decisões, que envolvem julgamento, conceitos e dualidades, que criam então separação e conflito. Por conseguinte, assim que principia esse processo, inicia-se automaticamente o conflito – conflito no interior da própria mente, conflito entre o corpo e a mente, conflito entre os sentidos e a mente… primeiro interna, depois externamente. Externamente reflete no outro e no meio ambiente. – Aqui é importante desenvolver uma mente de espelho que reflete a sabedoria e beleza existente em todas as coisas que há. Ao ver um filme dessa natureza na sua mente, agradeça. Pois a vida é realmente digna de se regozijar. Regozijo é o passo mais acertado pra iniciar uma nova trajetória.  

Reconectando com respiração atenta e a energia positiva

Depois que aprendemos a dar atenção à respiração, relaxamos com a oportunidade de reconhecer a essência da vida. Quando isso acontece, tranquilamente induzimos nossa mente a assumir uma atitude positiva. Nesse estado rompemos com a estagnação interior e a energia se vê livre para fluir natural e harmoniosamente por todos os canais de nosso corpo. O resultado dessa fluidez é claro, logo nas primeiras tentativas. Quando aprendemos a acalmar e a integrar o corpo, a respiração e a mente, todo o nosso sistema se carrega de energia e de saúde. Com o tempo de treinamento, durante o relaxamento, podemos começar a selecionar nossos sentimentos e emoções, classifica-los, descartando os negativos, e, estimulando os positivos. Sensações e imagens de momentos de bem estar são bem vindas, como; se permitir ver e ouvir a arrebentação das ondas e se deixar viver a paz e a harmonia vindas do oceano. Poderemos sentir a brisa de uma tarde perfeita ou a luz do luar massageando nosso corpo ou ainda a agua morna do verão banhando suavemente o nosso coração. A própria mente positiva, por si só, transforma-se naturalmente num processo de autocura. Quando damos vazão a nossa mente positiva adquirimos o domínio da energia sutil e podemos distribuí-la ao nosso corpo físico, emocional e psíquico. Estimulando e dirigindo sentimentos positivos, alegres, com o treinamento e o passar do tempo, modificamos a essência dos velhos padrões interiores de cultivar experiências dolorosas. Podemos criar em cada meditação uma nova oportunidade de entrar em contato com a serenidade do nosso mundo espiritual. Essa experiência vai nos inspirar a conduzir nossa vida de forma pacífica com o mundo externo. – “Mundo interno é igual ao mundo externo” – Lama Gangchen Rinpoche.

A confiança interior

Não existem passos específicos a seguir. O importante é conseguir chegar a um estado confortável e sereno. A postura e a respiração correta facilitam a nossa visão para o interior, no centro da nossa mente. Nutrimo-nos de força e confiança, e, conforme nos aprofundamos na meditação, vamos descobrindo naturalmente que a verdade está sempre dentro de nós. Quando nos deparamos com ela, nos tornamos cada vez mais confiantes em nossa experiência, começamos a ver que as crenças devocionais ou sentimentos não são tão importantes, pode ser, sim, o caminho para chegarmos onde estamos agora. Aprendemos a acreditar e a confiar mais em nós mesmos. O potencial de iluminação, embora esteja sempre dentro de nós, poucos a experimentam, mas ela está lá. Nossa essência é divina e tão pura quanto um diamante. Confiantes a cada reencontro, podemos lapidá-la, tornando-a mais luminosa no nosso coração. “Budismo não é religião, é uma filosofia de vida que busca a felicidade pela harmonia de você com você mesmo e de você com o todo e isso exige trabalho e disciplina. Aprendi a me levantar cedo no monastério. Aceitei as regras com o propósito de mudança”. Lama Michel Rinpoche.

O Caminho pelo coração

É importante estabelecer contato com nosso coração e dar ouvidos ao nosso silêncio interior, pois ele libera momentaneamente clarões de prazeres e sensações que são energias curativas. Com essas experiências, há a necessidade de se abrir o coração e resinificar a nossa vida, e de dar importância àquilo que de fato, tem valor. Fechados, ninguém, nem mesmo o maior dos mestres, poderá chegar até nós. O coração nos revela todos os conhecimentos. Por que o coração e não a mente? Porque o nosso ego controla a nossa cabeça, e o nosso coração é muito mais livre. -“Quando nos tornamos capazes de integrar nossas mentes com nossos corações e nossas ações com nossas intuições, encontramos um significado genuíno em nossa vida. Nossas dificuldades emocionais e problemas diminuem automaticamente e descobrimos inspiração, insight, motivação e força. Tornamo-nos, naturalmente, autonutrientes, automotivadores e autoconfiantes. Por conseguinte, reparamos no que está acontecendo em nossos corações. Esta é uma preparação essencial para aprender a verdade de nossas próprias vidas”. Tarthang Tulku.  

O coração é pura compaixão

A compaixão é saudável porque não envolve expectativas nem exigências. É uma atitude psicológica autônoma. Uma pessoa compassiva é capaz de compreender e aceitar a humanidade, assumir a responsabilidade e se colocar à disposição para aprender mais sobre os seres para beneficiá-los tanto no nível físico quanto espiritual.

-“Começamos tocando nossa própria natureza, e depois nos abrimos para os amigos, os pais e a família. O poder da compaixão é capaz de transformar-nos, tanto a nós quanto aos outros, de forma total, de modo que as nossas vidas se tornam radiantes e leves”. Tarthang Tulku

Podemos usar a compaixão, que é um recurso saudável e equilibrado, para expandir a nossa mente. Focalizamos e deixamos que essa compaixão irradie de todas as partes do nosso corpo, e, juntos com outros seres compassivos, enviamos o nosso poder e a nossa energia de bem aventurança a todos os seres, visíveis e invisíveis, a fim de que todos possam superar seus obstáculos e tornarem-se saudáveis e felizes.

“Juntos Podemos!”. Lama Gangchen Rinpoche

As sete meditações ilimitadas

Desenvolvendo o Amor Ilimitado
Possam todos os seres ter a felicidade e sua causa.
Desenvolvendo a Compaixão Ilimitada
Possam todos os seres ser livres do sofrimento e de sua causa.
Desenvolvendo a Alegria Ilimitada
Possam todos os seres jamais se separar da grande felicidade que está além do sofrimento.
Desenvolvendo a Equanimidade Ilimitada
Possam todos os seres sempre viver em equanimidade, livres da atração por uns e da aversão por outros.
Desenvolvendo a Saúde Mental e Física Ilimitada
Possam todos os seres se recuperar das doenças causadas pela poluição física e mental, e gozar de saúde relativa e absoluta agora e sempre.
Desenvolvendo a Regeneração Ecológica Ilimitada
Possam todos os seres relaxar em um meio ambiente interno e externo puro e saudável
agora e sempre.
Desenvolvendo a Paz Ilimitada
Possam todos os seres desfrutar de paz interna e paz no mundo agora e sempre.

As Cinco Coisas a Serem Lembradas Constantemente

1. Minha natureza é envelhecer. Eu não superei a velhice. Isso é para ser lembrado constantemente.

2. Minha natureza é adoecer. Eu não superei a doença. Isso é para ser lembrado constantemente.

3. Minha natureza é morrer. Eu não superei a morte. Isso é para ser lembrado constantemente.

4.Tudo aquilo que é meu querido e prazeroso mudará e desaparecerá. Isso é para ser lembrado constantemente.

5. Sou o senhor das minhas ações, herdeiro das minhas ações, unido pelas minhas ações, protegido pelas minhas ações. O que quer que eu faça, para o bem ou para o mal, disso eu serei o herdeiro. Isso é para ser lembrado constantemente”.

Sidharta Gautama, o Buda Shakyamuni. Por Yuri Reis

Rute Cardoso
Terapia Corporal/Emocional e Harmonização de Ambientes